É preciso tomar atitude que de fato trate a origem dos problemas e não suas consequências. “Esconder” likes terá o mesmo efeito que um analgésico tem para um câncer. Evita uma dor, mas não trata o problema.

O que vemos fortemente disseminado no mundo atual é a dificuldade de muitas pessoas em lidar com a frustração. Por razões diversas, a sociedade desenvolveu formas de lidar com suas dificuldades, que muitas vezes a afasta da verdadeira solução.

A autoestima no passado era fruto de um forte autoconhecimento e de resultados obtidos ao longo da vida. Atualmente, muitas vezes provém do quanto uma foto, post ou posicionamento é aprovado em minha rede social. Porém, quando a não aprovação acontece, há incapacidade de lidar com isso.

Talvez estejamos falando muito mais de uma imaturidade para lidar com o mundo virtual do que a necessidade de mudar os mecanismos do controle. O que acontece comigo quando não alcanço um objetivo muito desejado e o que acontece quando o resultado obtido não era o esperado, não pode, de maneira alguma, afetar minha autoestima e minha forma de me posicionar em rede. A autoestima deve anteceder qualquer relação, inclusive a virtual.

Limitar a visualização de curtidas não mudará a fragilidade nas estruturas de personalidade de algumas pessoas. Precisamos entender aonde tudo começa para que desde cedo possamos investir nossos esforços para alcançarmos o mundo melhor que tanto desejamos. E tudo começa na infância…

O processo de educação de nossas crianças foi penalizado nas últimas décadas por mudanças radicais no universo. Precisamos de pais melhores, mais presentes no cumprimento de seu papel. Dessa forma termos crianças, jovens e adultos mais seguros e conhecedores de si mesmos, capazes de gerenciar e administrar emoções.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *