Há uma nova geração atuando no mercado de trabalho. Ela é composta por jovens nascidos entre 1980 e 2001:

Essa geração se destaca pela sua performance que é estimulada desde o início de suas vidas a pensar de maneira competitiva. Ela também incentivada a desenvolver recursos internos para lidar com as adversidades e a entender desde muito cedo que não basta querer, é preciso “fazer acontecer”.

Sendo assim, pais preocupados com o “futuro” de seus filhos passam a se empenhar a fim de identificar as necessidades individuais (dificuldades ou limitações). Após perceberem essa carência, os responsáveis investem para dar o suporte que esses precisam, seja tecnicamente falando ou mesmo emocionalmente.

Outro destaque dessa geração é a facilidade de acesso à informação. Sem dúvida nenhuma o conhecimento nunca esteve tão acessível a todos. Um acesso à internet te conecta em segundos com o mundo e todos os assuntos podem ter com a mesma rapidez, milhões de respostas. Dessa forma, cada vez menos perguntas ficam sem respostas e pessoas tem oportunidade de direcionar pesquisas não só atendendo a demandas escolares, mas principalmente aos seus interesses pessoais, sem grande investimento, apenas conectando-se a internet…

Para quem contrata: como entender, lidar com ela

Para quem contrata é preciso entender essa mudança de perfil. São jovens que pensam com qualidade e na maior parte das vezes não se contentarão em apenas executar. Para uma “entrega final” do que se espera desse profissional é preciso que o mesmo consiga criar uma conexão interna entre o fazer e o motivo de fazer.

Muitas vezes é possível falar sobre os porquês, mas eventualmente não o é. Cabe a quem faz a gestão desse colaborador elucidar sempre os limites, para que haja um entendimento inclusive do que não pode ser dito. Essa geração cultua o diálogo franco e ao perceber que não existe poderá posicionar-se na defensiva e o efeito provocado pode ser prejudicial a todos os envolvidos.

Para quem é dessa geração: como se preparar, ser menos individualista

Esta geração é menos resistente a mudanças. Essa característica, na maior parte das vezes, é um trunfo, permitindo que se reposicione diante de tentativas mal sucedidas de algum projeto ou ação, eventualmente poderá torná-lo volúvel demais.

Por volúvel visualizamos aqui uma tendência a pensar mais em si do que no conjunto e muitas vezes por esse pensamento, não considerar aspectos importantes que poderiam potencializar outros resultados. Cabe aqui uma grande dica e talvez o maior desafio desta geração:

Utilize todo o preparo que recebeu desde a infância a seu favor. Isto significa dizer que terá que analisar resultados de uma maneira maior, mais integrada com o ambiente e as pessoas com as quais se relaciona. Quanto mais antenado você estiver ao grau de alinhamento que você esta em relação a tudo que esta a sua volta (administrando em tempo as situações criticas e preocupantes), melhores e mais consistentes serão os seus resultados.

Têm uma confiança elevada nas próprias competências e costumam se irritar quando o empregador não partilha dessa avaliação. Acham que têm condições de se tornar CEO de um dia para o outro. Esses jovens começam agora a ocupar as vagas deixadas pelos baby boomers – como são conhecidos os nascidos entre a Segunda Guerra e 1960 –, que estão se aposentando.

As crenças que eles possuem se fundamentam em relação ao que podem se tornar no futuro. O grande problema é o tempo até a chegada nesse futuro. Se por um lado é claro que eles possuem um preparo maior, foram devidamente estimulados em relação ao que o mercado espera. Isso porque, pelo próprio estágio do desenvolvimento que ainda estão, muitas vezes não conseguem entender que alguns aspectos, apenas o tempo é capaz de fornecer, a medida que se vivencia situações que irão levar a reflexões e mudanças de atitude. O tempo deve ser visto como um aliado importante e deve-se saber esperar por ele.

Na minha percepção não existe regra para esse amadurecimento. Encontro profissionais maduros aos 25, 30 anos ou imaturos aos 40, 50 anos.

Ouso a dizer que a segurança que os mesmos possuem é a base do perfil dessa geração e devemos muito aos pais que desde cedo investem em sua saúde física, mental e espiritual.

Texto: Martha Zouain, Psicóloga e Diretora da Psico Store

Imagem: freepik

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *